Procurar Tag

Escola

Sobre Criança

Como preparar a criança para o início na vida escolar?

2 de agosto de 2016

Sem dúvida, é uma fase nova e desafiadora para ambos, os pais e criança.

Não existe uma regra de qual idade  a criança deve ingressar na escola, isso varia muito de acordo com as necessidades e escolhas de cada família. No entanto, em algum momento chega a hora de dar inicio à vida escolar. E, geralmente, é a primeira vez que a criança se socializa, sem a presença de um dos seus cuidadores. E isso, pode gerar insegurança tanto na criança quanto nos pais.

O primeiro passo é estar seguro de que escolheu a escola certa para seu filho. Portanto, visite a escola, tire suas dúvidas sobre a forma de ensino e acolhimento que a instituição costuma ter. Outro fator importante é estar certo de que é um bom momento para seu filho iniciar os estudos.

Com os pais se sentindo seguros, eles conseguem passar firmeza e tranquilidade de que isso é o melhor para a criança.

E, quando o primeiro dia de aula se torna realidade, é fundamental conversar com os pequenos, explicar que vai ser muito bom para o seu desenvolvimento, que será um espaço para brincar com outras crianças e também para aprender coisas novas. Envolva a criança no processo, e na medida do possível, convide-a para comprar uma mochila nova ou um lápis de cor para poder levar no início das aulas.

Se possível, quando o primeiro dia de aula estiver se aproximando, leve o pequeno para conhecer o espaço. Lembre-se: sempre que conversar com a criança sobre a nova rotina, mostre sempre que está segura, positiva, confiante e feliz por este momento.

O período de adaptação também merece cuidado e atenção. A ideia é que os pais comecem levando seus filhos por pequenos períodos de tempo à escola, para irem se acostumando a ficar longe de casa e da família. Conforme vão se acostumando, esse período vai aumentando gradualmente. Não existe regra: o tempo de adaptação pode variar de criança para criança.

Durante esse período, é muito importante que os pequenos se sintam seguros. O ideal é ficar por perto e, quando a criança solicitar ou perguntar sobre os pais, ela poderá encontrá-los. Se disser que estará lá, esteja. Sair sem se despedir ou mentir pode dificultar bastante as coisas.

Nesses dias, caso a criança se canse e queira ir para a casa isto deve ser respeitado.

Aos poucos eles vão se acostumando com o ambiente escolar, se vinculam com os professores e perguntam cada vez menos sobre os pais.

Durante o processo de adaptação, evite mudar a rotina da criança. Este não é o momento de tentar tirar à chupeta ou a mamadeira. Se a criança tem algum objeto que ela goste muito, você incentive-a a levar, aumentando a tranquilidade e segurança já que é um objeto que veio do ambiente familiar para o novo ambiente da escola.

Lembre-se que chorar é uma reação natural e até esperada neste momento e, portanto, não deve ser proibida. Quando o choro surgir, o melhor é reforçar a importância da escola, que você sabe que ele está com medo, mas que acredita que ele vai conseguir superar e que vai ficar bem. É necessário firmeza, paciência e carinho. Afinal, momentos de separação nunca são fáceis.  Respeite o tempo da criança, e demonstre que esta é a melhor decisão.

Geralmente os pais também precisam do processo de adaptação, pois terão uma fase de integração com os novos pais e professores, além de lidar com a separação do filho e insegurança sobre os cuidados que terão com seu pequeno. Nesta fase, os sentimentos são diversos: há os que se sentem culpados em deixar o filho na escola para trabalhar; os que sentem alívio, os que experimentam um grande vazio e os que choram mais do que criança.

Vale lembrar que assim como cada criança é única, os pais também são. Cada relação também é única e diferente, portanto, cada um lida de modo singular com as mudanças, separações e novidades, de acordo com sua personalidade, maturidade emocional, expectativas e momento de vida. Por isso, não existe uma receita, mas o que é fundamental é estar perto, atento, seguro e confiante. E, lembrar-se, todas as pessoas passam por este momento.

Boas aulas!

Sobre Família

A verdadeira parceria entre Escolas e Famílias

14 de janeiro de 2016

Com o fim das férias, precisamos pensar no nosso papel como pais na educação dos nossos filhos!

Ao meu ver, é fundamental a parceria entre a escola e a família. Quando falo isso, quero dizer a real parceria mesmo, onde escola e família sejam engajadas e de fato envolvidas pensando somente no desenvolvimento da criança, e aí sim, ela será beneficiada.

E quando a criança apresentar algum tipo de dificuldade, pais não culpam a escola, e a mesma não culpa a família, e juntas conseguem superar dificuldades e desafios da criança. Mas infelizmente, tenho visto a culpabilização de uma pela outra.

Temos que pensar que cada um que vive e convive com a criança tem responsabilidade pelo desenvolvimento construtivo da criança e por tanto devem caminhar juntos.

É no seio familiar que se vivencia o enlace afetivo, emocional de troca de amor e experiências. E a escola tem a vivência diária do desenvolvimento cognitivo, de relacionamento e crescimento, e juntos vivenciam o caminho para amadurecimento, crescimento e autonomia da criança.

Na família  que a criança aprende também a socializar e dividir. E a escola, tem que acolher esta criança com afeto e responsabilidade, já que, a partir deste momento a instituição de ensino também tem responsabilidade em dar continuidade no processo que já foi iniciado em casa, pela família.

Não tenho duvidas que todos os envolvidos têm boas intenções nesse processo, mas vale reforçar que é um processo calcado na confiança, e só assim pode ocorrer trocas efetivas.

Lembre-se, a família é a principal responsável pela educação das pessoas, da formação e desenvolvimento da personalidade. Nós como pais, não devemos transmitir todas as responsabilidades da educação para a escola que tem como dever continuar o processo que vem sendo desempenhado pela família.

As escolas devem aproximar os pais, ouvindo suas histórias, expectativas e queixas, podendo assim ter um diálogo. Mostrando que os familiares podem e devem ter voz dentro das escolas. Por outro lado, as famílias devem ter mais atenção com suas crianças e jovens.

A escola sozinha não consegue dar conta da formação de um individuo, tampouco os pais sozinhos são suficientes para dar uma educação integral.

O grande desafio é,  juntos descobrir por qual caminho cada criança deve percorrer. Mais do que isso, qual caminho ela pode e lhe fará feliz caminhar, o ritmo certo e a maneira adequada para cada criança. E por isso, a troca de informação, de impressões e a escuta são fundamentais.

Se tivermos em mente que a criança expressa suas dificuldades através de algumas falas e mudanças de comportamentos , podemos juntos ficar atentos, conversar e ajustar o que deve ser ajustado para cada criança. Seja uma dificuldade em casa ou na escola, pode ser expressada em qualquer dos ambientes.

Por isso devemos ter a possibilidade de um diálogo Escola e Família aberto e constante.

Todos nós queremos que a criança viva feliz!!